Header Ads

Com a volta do Morenão, TV Morena transmitiu 76% dos jogos do estadual na capital

De volta após três anos, Morenão recebeu grande parte dos jogos televisionados neste ano
(Foto: Reprodução/TV Morena)

O Campeonato Sul-Mato-Grossense de 2017 voltou a apresentar um aumento no número de jogos transmitidos pela TV Morena, detentora dos direitos do estadual desde 2012. Nesta edição, 17 partidas foram televisionadas ao vivo, superando a marca dos dois últimos anos, quando 15 e 16 jogos, respectivamente, foram mostrados para todo o Estado, se mantendo inferior apenas a 2014, ano em que 19 partidas foram exibidas.  O grande fator que explica esse crescimento é o retorno do estádio Morenão após três anos, de onde foram transmitidas 14 partidas, equivalente a 76% de todos os jogos exibidos pela emissora.

Cláusula primordial para a renovação do contrato de transmissão, a reforma para reabertura do Morenão foi custeada inicialmente com verba repassada pela TV Morena, que considerava inadequada a estrutura oferecida pelo estádio Jacques da Luz, no bairro das Moreninhas, para transmissão dos jogos na capital. Com toda a estrutura já instalada no estádio, a emissora optou – até para evitar com gastos de deslocamento e possíveis imprevistos – por adotar o Morenão como uma espécie de ‘central’ de transmissão de jogos do estadual neste ano.

“Ter de volta o Morenão foi uma grande vitória do futebol sul-mato-grossense. É o nosso templo, nossa referência como estádio e, principalmente, um dos melhores da região que atendem as exigências técnicas para uma transmissão de futebol”, disse o editor-chefe do Globo Esporte, Átilla Eugênio.

Mais de 30 funcionários trabalham para que a transmissão
aconteça para todo o Estado (Foto: Reprodução/Gazeta MS)
De acordo com Eugênio, para cada transmissão da emissora no estadual é montada uma megaestrutura, com 36 profissionais não só da área esportiva, mas também de engenharia e suportes técnicos, assim, todos os trabalhos são melhor executados no Morenão, onde já há toda uma infraestrutura planejada para transmissões, inclusive com uma cabine exclusiva para a emissora, onde é possível captar o espaço aberto ao público.

“A estrutura média é de oito câmeras posicionadas estrategicamente para captar todos os lances da partida, podendo até ser mais. Porém, precisamos ainda de espaço próximo ao campo para as duas unidades móveis (caminhões), locais no alto para as câmeras de impedimento, entre outros detalhes, tudo visando a segurança no trabalho e a qualidade no produto final”, conta o jornalista, que também apresenta o diário Globo Esporte.

Atenção à capital causa críticas de equipes do interior

Se pelo lado estrutural, o Morenão é a melhor saída à tevê, porém, o lado comercial dos clubes, principalmente do interior, é o maior prejudicado, de acordo com alguns dirigentes, que criticam o fato de poucos jogos serem televisionados fora da capital, diminuindo assim a exposição dos patrocinadores, que evitam, em algumas vezes, o investimento.

As críticas são amparas nos números. Apenas quatro jogos fora de Campo Grande foram transmitidos, sendo apenas dois sem o envolvimento de equipes da capital – ambos jogos entre Corumbaense e Águia Negra, na primeira fase. Dos oito clubes do interior, três (Ivinhema, Naviraiense e Urso) não tiveram jogos televisionados e outros quatro tiveram no máximo duas partidas em evidência para todo o Estado, contrastando com clubes como Novo, Operário e Comercial, que tiveram pelo menos seis partidas transmitidas ao vivo.

Segundo Átilla Eugênio, o problema no número de transmissões esbarra novamente nas condições dos estádios no interior, excluindo da lista estádios como Douradão e Arthur Marinho, em Corumbá, nos quais classifica como ‘referências para a equipe da TV Morena também’.

“Não se pode caprichar numa rodada e na seguinte deixar a desejar. A preocupação com o estádio é prioridade. Sem melhoria na estrutura dos demais estádios, a possibilidade de transmissão diminui, a não ser nas fases finais”, afirma o jornalista.

Átilla ressalta ainda que a fórmula de disputa da competição é prejudicial aos clubes do interior, já que têm menos oportunidades de atuarem em estádios referências à TV Morena e, consequentemente, são menos beneficiados com a exposição na tevê.

“Sabemos que se o formato de disputa do estadual for mantido, os mesmos times continuarão sendo beneficiados. Por isso, é interessante que os dirigentes entendam a necessidade de mesclar os grupos atuais, não só pela oportunidade de ter um jogo televisionado, mas pra promover novos confrontos, criando novas rivalidades. Apesar dos gastos a mais para os clubes, o torcedor merece uma nova expectativa”, conclui Eugênio.

Este foi o sexto ano consecutivo que a filiada à Rede Globo transmitiu o estadual. No primeiro ano da parceria com a Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul (FFMS) foram seis jogos transmitidos, passando para 13 em 2013, 19 em 2014, 13 novamente em 2015 e 16 em 2016. Em 2018, pela primeira vez, as equipes devem receber da emissora pelos direitos de transmissão.

Confira quais clubes tiveram mais jogos televisionados pela TV Morena em 2017:

1º Operário – 7 partidas
1º Novo – 7 partidas
2º Comercial – 6 partidas
4º Corumbaense – 5 partidas
5º Sete de Dourados – 3 partidas
6º Águia Negra – 2 partidas
6º Costa Rica – 2 partida
8º Serc – 1 partida
8º União/ABC – 1 partida
10º Ivinhema – 0 partidas
10º Naviraiense – 0 partidas
10º Urso – 0 partidas


Copyright © 2016 Arquibancada MS. Todos os direitos reservados.. Tecnologia do Blogger.